Modelos de elementos finitos para o estudo de espondilomielopatia cervical. Clinica Veterinária (2017)

Bonelli MA, da Costa RC, Sellos Costa F. Modelos de elementos finitos para o estudo de espondilomielopatia cervical. Clinica Veterinária, v. 130, n.5, 44-59, 2017.

Informações do Artigo

Disponível em: Português
Total de Páginas: 5

Prévia
Resumo: A espondilomielopatia cervical (EMC), ou síndrome de Wobbler, afeta principalmente a coluna vertebral cervical de cães de raças grandes e gigantes, gerando uma compressão da medula espinhal e/ou de raízes nervosas. Considera-se que exista uma participação de componentes dinâmicos, mas a fisiopatogenia ainda não foi elucidada. A análise com elementos finitos consiste na criação de um modelo computadorizado capaz de simular a biomecânica das estruturas. O presente objetivo é esclarecer aspectos relacionados à construção de modelos de elementos finitos (MEFs) e EMC por meio de uma revisão bibliográfica desses dois temas, ressaltando os benefícios e dificuldades do uso de MEFs para o estudo da fisiopatogenia e o tratamento da EMC. Apesar das dificuldades existentes em gerar MEFs representativos da coluna cervical de um cão, a criação desses modelos e maiores estudos biomecânicos devem contribuir para o maior entendimento da EMC.

Modelos de elementos finitos para o estudo de espondilomielopatia cervical

Depoimentos